Rua Ernesto Moreira, Caldas da Rainha
0

Carrinho

“Novela” CoVid-19

Tudonumclic - CoVid19

Desde a identificação, em dezembro de 2019, da “novela” coronavírus de 2019 (CoVid-19), um enorme sentimento de pânico envolveu o discurso público.

Desde a identificação, em dezembro de 2019, da “novela” coronavírus de 2019 (CoVid-19), um enorme sentimento de pânico envolveu o discurso público. É provável que isso seja amplificado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) recentemente, declarando o novo surto de coronavírus uma emergência de saúde pública de interesse internacional.

É a terceira ocorrência significativa de um coronavírus zoonómico que atravessa a barreira das espécies para infetar seres humanos e provavelmente não será a última. A esperança não está perdida e é imprescindível uma abordagem medida, consciente da seriedade desta crise de saúde pública mas sem ceder à histeria.

O coronavírus foi identificado num mercado de alimentos húmidos em Wuhan, na China, e tem sido objeto de uma robusta resposta de saúde pública pelas autoridades chinesas e pela comunidade internacional desde então. Enquanto os debates sobre o reservatório primário do vírus ainda estão em andamento, o vírus está intimamente relacionado a vários coranavírus-morcego.

Os coronavírus (CoV) são vírus de ARN (vírus mais propensos a sofrer mutações genéticas), possuindo o maior genoma de ARN viral conhecido até o momento. Eles são conhecidos pela sua rápida disseminação, emergência imprevisível e sua ameaça à saúde humana, ampliada pela grande variedade de reservatórios de animais e pela falta de tratamentos preventivos ou curativos.

O CoVid-19 é um “beta-CoV” semelhante, na sua sequência (80%), com o coronavírus da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV), a vertente do coronavírus implicada no surto de SARS em 2002, mas ainda mais estreitamente relacionado a vários coronavírus de morcego. Os morcegos também foram identificados como o principal reservatório para o SARS-CoV, embora os coronavírus sejam encontrados em muitas espécies.

O coronavírus da síndrome respiratória do Médio Oriente (MERS-CoV), outro CoV altamente patogênico e responsável pelo surto de MERS em 2012, foi transmitido através do contato com camelos, embora com um tropismo humano diferente. Acredita-se que o novo coronavírus infecta células humanas através da sua interação com o recetor da enzima conversora de angiotensina II humana (ACE2), similar ao SARS-CoV. Apesar das diferenças entre o SARS, o MERS e o novo coronavírus, as semelhanças no gênero “beta-CoV” permitem-nos extrapolar nossa experiência anterior com surtos de coronavírus e aumentar a nossa compreensão do atual.

A infeção afeta pacientes com e sem doenças subjacentes, embora a maioria das fatalidades seja de pacientes mais velhos ou com morbidades significativas. A grande maioria dos casos relatados tem ocorrido em adultos, diminuindo a nossa capacidade de extrair inferências e fazer recomendações para pacientes pediátricos.

Apesar do seu aparente aumento da infecciosidade, (R0 = 2,2), o surto CoVid-19 parece ser menos virulento que o SARS-CoV (taxa de letalidade = 9,5%) e o MERS-CoV (taxa de letalidade = 34,4%); a taxa de letalidade para o CoVid-19 é, atualmente, de 2,2%. Os principais alastradores dos vírus (R0> 10) foram identificados nos surtos dos MERS-CoV e SARS-CoV e há relatos semelhantes dos alastradores do CoVid-19.

Os relatos de casos recentes e de transmissão de humano para humano, inclusivé em pacientes que não visitaram Wuhan, são preocupantes, mas não surpreendentes. Acredita-se que a transmissão ocorra somente após a presença de sintomas de infeções do trato respiratório inferior, devido ao seu tropismo para células epiteliais intrapulmonares.

Uma lição crucial aprendida com as nossas experiências com SARS-CoV e MERS-CoV é que a transmissão comunitária ocorre principalmente através de gotículas grandes, não aerossóis. A transmissão também é em grande parte nosocomial, e é por isso que uma abordagem medida evita o uso excessivo dos recursos médicos e o pânico na população em geral.

Numa perspetiva de controlo da infeção, os profissionais médicos devem tomar precauções contra gotículas e contatos, bem como precauções no ar ao executar procedimentos que geram aerossóis (ou seja, aspiração endotraqueal, intubação) em pacientes com suspeita de CoVid-19. Do ponto de vista da saúde pública, os pacientes que apresentam doenças respiratórias agudas requerem triagem de acordo com os critérios da OMS.

Pacientes com suspeita de infeção pelo CoVid-19 devem ser tratados de acordo com os protocolos governamentais. É improvável que os pacientes que não atendem aos critérios sejam infetados com CoVid-19. Os pacientes com doenças respiratórias agudas, sem critérios positivos da OMS, não devem ver o seu tratamento alterado apenas com base em sintomas pouco específicos. Para os pacientes sem exposição ao vírus, o risco imediato para a sua saúde é bastante baixo.

Os pacientes infetados com o CoVid-19, geralmente, apresentam sintomas indicativos de pneumonia viral, como febre, tosse, fadiga e dispneia (Dificuldade em respirar, acompanhada de uma sensação de mal-estar). Isso é semelhante aos surtos de síndrome respiratória coronavírus do Médio Oriente (MERS-CoV) e aos surtos graves da síndrome respiratória aguda por coronavírus (SARS-CoV).

Os pacientes apresentam achados radiográficos de múltiplas consolidações lobulares bilaterais e subsegmentares, progredindo para opacidades em vidro fosco nas imagens de TAC ao tórax. As complicações secundárias do CoVid-19 incluem síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA), lesão cardíaca aguda e infeções secundárias, com 23% dos casos a exigirem admissão na unidade de cuidados intensivos.

Embora esta seja uma nova linhagem e ainda não completamente entendida, a sua gestão permanece semelhante aos surtos anteriores de CoV. Os pacientes podem apresentar quadros clínicos como infeções respiratórias sem complicações, pneumonia e SDRA (Síndrome Desconforto Respiratório Agudo). Apesar do CoVid-19 ser uma infeção viral, os pacientes que atendem aos critérios de sepse (condição potencialmente fatal que surge quando a resposta do corpo a uma infeção danifica os seus próprios tecidos e órgãos) devem receber o tratamento habitual, incluindo o início precoce da antibioticoterapia de amplo espectro, devido ao potencial de infeções secundárias.

Com isto dito, todas as orientações atuais são provisórias e ainda é necessário um bom julgamento clínico ao gerir pacientes com CoVid-19. Embora o CoVid-19 seja novo, os coronavírus não o são, e os princípios gerais de gestão de pneumonias virais ainda se aplicam. As diretrizes dos relatórios locais, bem como as orientações da OMS sobre a gestão do CoVid-19, continuarão a evoluir à medida que entendermos melhor o surto.

O novo coronavírus é a “joia da coroa” das pandemias? Não. É uma doença infeciosa grave mas não incrivelmente incomum. No passado recente fomos obrigados a gerir o SARS, MERS, Ebola e Zika. A nossa comunidade científica está preparada e vigilante, o que é evidenciado na resposta incrivelmente rápida ao atual surto.

Esta também não será a última vez que ouviremos falar sobre os coronavírus. Eles têm um potencial significativo de infecciosidade, e devem ser dedicados mais recursos científicos à compreensão e redução da gravidade de futuros surtos. No entanto, devido à experiência na gestão de surtos de coronavírus no passado, estamos bem preparados para enfrentar o atual. Apesar da alta infecciosidade, a taxa de letalidade permanece baixa; os governos estaduais e a OMS estão a implementar as medidas necessárias para reduzir a propagação da infeção.

Fonte: The Journal of Critical Care Medicine 2020 – Razvan Azamfirei – Johns Hopkins School of Medicine, Baltimore, MD, USA

Medidas de proteção para prevenir a disseminação da doença.

Os vírus respiratórios espalham-se através de gotículas respiratórias que são transmitidas quando uma pessoa infetada com o vírus tosse ou espirra. Os modos exatos de transmissão do CoVid-19 não são totalmente claros nesta fase inicial, mas relatos de profissionais de saúde na China que contraíram a doença sugerem um vírus altamente contagioso. A prevenção das infeções por CoVid-19 implica precauções que são comuns a outros vírus respiratórios.

A medida mais óbvia é evitar o contato com pessoas que estão doentes. Isto é especialmente importante devido à natureza contagiosa do vírus. Se alguém está doente, deve ficar em casa. Uma vez recuperados, podem considerar o uso de máscaras descartáveis ​​(desde que mudando-as frequentemente) e evitar o contato próximo com colegas de trabalho. No entanto, o valor de usar máscaras é controverso, para dizer o mínimo. As máscaras cirúrgicas não protegem totalmente contra vírus transportados pelo ar, pois não selam totalmente o nariz e a boca.

Assim, pequenas gotículas, que podem viajar mais do que gotas grandes e em padrões mais imprevisíveis, podem ser inaladas pelas laterais das máscaras. As máscaras N95 oferecem uma melhor proteção, desde que se encaixem corretamente. Vale a pena notar que as máscaras N95 não são adequadas para pessoas com pelos faciais.

Lavar as mãos com água e sabão pelo menos durante 30 segundos será benéfico na desativação do CoVid-19. Desinfetantes para as mãos também podem ser usados ​​se água e sabão não estiverem disponíveis, enquanto o contato com os olhos, nariz e boca deve ser evitado.

A desinfeção de diferentes superfícies, ferramentas e objetos ambientais é crucial para limitar a propagação do vírus. Quanto mais usar um desses objetos ou tocar numa dessas superfícies, mais limpeza e desinfeção prementes se exige.

As autoridades de saúde pública, departamentos locais de saúde, hospitais, médicos e pessoal do CDC devem trabalhar em estreita colaboração com universidades e outros locais de trabalho para educar e fornecer os suprimentos necessários para conter a propagação do vírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o CoVid-19 como uma emergência de saúde pública de interesse internacional (PHEIC), em 30 de janeiro de 2020.

Um PHEIC é um evento atípico que constitui um risco à saúde pública e o potencial da doença se espalhar para outros, requerendo uma resposta internacional coordenada. Essa designação poderia ajudar a mobilizar mais recursos para as áreas afetadas. O surto atual representa a sexta vez que a OMS declarou uma emergência global desde que conquistou o poder de declarar uma emergência internacional em 2005. As cinco vezes anteriores foram a gripe suína H1N1 de 2009, a Ébola de 2013 na África Ocidental, o surto de poliomielite de 2014, o surto de Zika de 2016 e o ​​surto de Ébola de 2019 na República Democrática do Congo. Nenhuma dessas emergências anteriores levou a uma pandemia mundial.

O teste de diagnóstico atual para o vírus é baseado em PCR. Como esse teste normalmente leva 48 h, há a necessidade de desenvolver um novo teste de diagnóstico mais rápido. Não será prático isolar (quarentena) um grande número de indivíduos até que os resultados do teste de diagnóstico baseado em PCR estejam disponíveis. Isso pode sobrecarregar os serviços de saúde, já sobrecarregados pelo crescente número de casos que são descobertos todos os dias na China e em outras partes do mundo.

A contenção do surto, antes que ele se espalhe, é a melhor maneira de prevenir pandemias. Fronteiras fechadas e triagens em aeroportos e postos de controlo são medidas clássicas implementadas, por exemplo, na pandemia de gripe H1N1 de 2009. Isso pode reduzir a propagação do vírus, mas não irá ser uma estratégia infalível.

O principal motivo é que se acredita que o período de incubação do vírus seja superior a 14 dias, como foi o caso do MERS-CoV. Isso significa que os portadores do vírus podem aparecer na fronteira sem sintomas aparentes e passem rapidamente pela segurança sem levantar quaisquer bandeiras vermelhas. Comparado ao surto de SARS ‐ CoV em 2003, o aumento atual do tráfego aéreo na China e em todo o mundo provavelmente contribuiu para a disseminação mais rápida do CoVid-19 em 2020.

Sem um teste rápido de diagnóstico, não há muitas opções que possam parar completamente o transmissão do vírus. Quando um teste é instantâneo, os casos podem ser identificados e isolados. Baseado em experiência genética anterior com SARS-CoV, os cientistas precisarão desenvolver rapidamente uma vacina para CoVid-19.

O mundo espera conseguir conter esse vírus o mais rápido possível. Mesmo após o sucesso, é necessário acompanhar pacientes curados e declarados livres do vírus. Esta é uma lição que se aprendeu com o surto do Ébola, no qual alguns pacientes que saíram do hospital “livres de vírus” foram encontrados mais tarde por abrigarem o vírus Ébola cuidadosamente escondido em outras partes do corpo. Embora esse vírus escondido do Ébola não fosse mais transmissível a outros seres humanos, tornou um rótulo “livre de vírus” incorreto para esses indivíduos.

Fonte: MDPI 2020 – Hossam M. Ashour, Walid F. Elkhatib, Md. Masudur Rahman and Hatem A. Elshabrawy

5 /5
Based on 1 rating
100%
100%
100%

Reviewed by 1 user

    • 5 meses ago

    QT

    Wow, awesome blog structure! How long have you been blogging
    for? you make running a blog glance easy. The overall glance of your website is magnificent, let
    alone the content! You can see similar here dobry sklep

      • 4 meses ago

      Thank you very much for your comment
      We strive hard to share the best information with visitors. Visit us often

Leave feedback about this

  • Quality
  • Price
  • Service
Choose Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

error: ©Direitos Reservados !!
Abrir chat
1
O que podemos oferecer-lhe hoje?
Scan the code
Suporte Tudonumclic
Olá,
Temos sempre alguém pronto para falar consigo. Em que podemos ajudá-lo?