Rua Ernesto Moreira, Caldas da Rainha

Uma semana de 4 dias

Tudonumclic - Semana de 4 dias

Uma análise abrangente aos estudos realizados na Grã-Bretanha demonstra que: Horários de trabalho mais curtos – na forma de uma semana de 4 dias – trazem alívio para as pessoas e para o clima. Porque não apenas nós estamos menos sobrecarregados, mas o meio ambiente também. No Reino Unido, mudar para uma semana de quatro dias com compensação salarial total iria economizar tanto CO₂ quanto tirar todos os carros particulares das estradas.

Tudonumclic - Notícias do Mundo

A consciência climática na sociedade provavelmente nunca foi tão alta quanto o é agora. Pelo menos quando se trata da urgência de combater o colapso climático. De acordo com uma pesquisa do Ministério do Clima da Áustria, 8 em cada 10 pessoas estão convencidas de que precisamos mudar o nosso comportamento diário para interromper a crise climática. A questão em aberto que permanece é: como? Porque pequenas reformas não bastam. Sabemos disso aqui e em outros países.

Uma revisão de estudos internacionais mostra agora que uma verdadeira reviravolta na política climática pode ser alcançada em uma área que muitas pessoas nem suspeitam – as nossas horas de trabalho. Especificamente, se os encurtarmos. Isso iria alcançar vários objetivos ao mesmo tempo: tornaria a distribuição do tempo mais equitativa, os colaboradores permaneceriam saudáveis por mais tempo e o uso de carros particulares com uso intensivo de CO₂ diminuiria rapidamente.

A semana de 4 dias no Reino Unido pode economizar mais de um quinto do consumo de CO₂.

O cientista ambiental do Reino Unido Laurie Mompelat, juntamente com o economista Mika Minio-Paluello, detalhou que se todo o Reino Unido mudasse para uma semana de 4 dias, a pegada de CO₂ do país poderia ser reduzida em 127 milhões de toneladas por ano. Isso é uma redução de mais de um quinto (21,3% no geral) – então é um grande negócio. Teria, portanto, o mesmo efeito que tirar todos os carros particulares (cerca de 27 milhões de carros) das ruas.

A semana de 4 dias como uma ferramenta para mais proteção climática pode compensar muito do que foi perdido ou simplesmente não alcançado até agora. Entre 1990 e 2016, o Reino Unido conseguiu reduzir as emissões dentro das suas fronteiras em 41 por cento, mas as emissões resultantes do consumo de bens e serviços caíram apenas 15 por cento. As últimas emissões de CO₂ são lançadas no exterior – por meio da produção de roupas, eletrônicos ou alimentos processados, por exemplo – mas são atribuídas à pegada britânica. E as questões de consumo em particular teriam que ser tratadas individualmente – o que é considerado difícil e lento.

Socióloga Juliet Schor: mais horas de trabalho causam mais emissões.

A redução da jornada de trabalho geral, no entanto, pode desempenhar um papel central na descarbonização do país. Um dia a menos de trabalho por semana também significa um dia a menos de deslocações, menos consumo de energia em muitas empresas – incluindo escritórios – e menos atividades intensivas em CO₂ em residências particulares devido ao aumento da prosperidade do tempo. Assim, as pessoas simplesmente têm mais tempo para atividades e atividades que são mais lentas e demoradas, mas mais ecológicas.

A socióloga Juliet Schor resume a relação sucintamente: “Mais horas de trabalho significam mais emissões. Menos horas significam menos emissões. Essa relação é chamada de efeito escala, referente ao tamanho da economia. Então: mais trabalho significa mais economia, significa mais produção. E mais produção está associada a mais emissões”. Schor está a estudar a Semana de Trabalho de 4 dias em vários países.

(legendado em português)

Mesmo longe do local de trabalho, a diminuição das emissões é evidente quando temos mais tempo livre. O pesquisador de tecnologia alemão Philipp Frey explica:

“DE VERDADE, PELO MENOS NA EUROPA E NA AMÉRICA DO NORTE, ATRAVÉS DE MEDIÇÕES DE SATÉLITE, PODE-SE OBSERVAR UMA CORRELAÇÃO POSITIVA ENTRE OS DIAS DE TRABALHO, ONDE MAIS É EMITIDO, E OS FINS DE SEMANA, QUE TENDEM A SER FALTAS, ONDE MENOS É EMITIDO. AS EMISSÕES EM UM DIA DE TRABALHO SÃO QUASE DUAS VEZES MAIS ALTAS DO QUE NO FIM DE SEMANA.”

Quando se trata de clima, não podemos falar apenas em prescindir, mas em como reorganizar o trabalho.

Quando temos mais tempo livre – e, portanto, menos stress – é mais provável que decidamos fazer as coisas a pé, de transporte público ou de bicicleta. Vamos às compras em vez de fazer compras online, cozinhamos nós mesmos em vez de recorrer a alimentos congelados e de conveniência. As consequências positivas para o nosso clima não podem ser exageradas, de acordo com Philipp Frey, do Karlsruhe Institute of Technology Research:

“POR UM LADO, A REDUÇÃO DAS HORAS DE TRABALHO PODE CONTRIBUIR PARA O COMBATE À CATÁSTROFE CLIMÁTICA, E AO MESMO TEMPO SÃO ATRATIVOS PARA OS COLABORADORES. ISSO DÁ-NOS A OPORTUNIDADE DE SAIR DE UM DISCURSO SOBRE FAZER SEM NADA — E PARA UM DEBATE SOBRE COMO PODEMOS AUMENTAR NOSSA PROSPERIDADE EM TERMOS DE TEMPO. E DESSA PERSPECTIVA, TAMBÉM É UM BOM SINAL QUE O ÚLTIMO RELATÓRIO DO PAINEL INTERGOVERNAMENTAL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS MENCIONE EXPLICITAMENTE A REDUÇÃO DO HORÁRIO DE TRABALHO COMO POSSÍVEL MEDIDA DE PROTEÇÃO DO CLIMA.”

Laurie Mompelat e Mika Minio-Paluello também citam a economia potencial no consumo de CO₂ por meio de uma redução geral nas horas de trabalho – e também resumem outros estudos conduzidos internacionalmente.

Efeito 1: O consumo de eletricidade diminui – menos aquecimento, menos eletrônicos.

Estudos mostram que uma redução nas horas semanais de trabalho é geralmente acompanhada por uma redução significativa no consumo de energia. Isso ocorre porque economiza eletricidade que, de outra forma, seria consumida no local de trabalho. Isso ocorre porque muitos dispositivos típicos de escritórios, por exemplo, são menos usados. Iluminação, aquecimento, elevadores, computadores, cantinas. O consumo de energia também cai no setor manufatureiro.

Em um experimento de grande escala realizado entre 2008 e 2009 no estado americano de Utah, 17.000 funcionários públicos foram transferidos para uma semana de quatro dias. Lá, foi demonstrado que enormes economias de energia eram possíveis como resultado de uma sexta-feira sem trabalho. 6.000 toneladas por ano poderiam ser economizadas em Utah em uma semana de 4 dias, observou um relatório provisório sobre o experimento. 12.000 toneladas se forem adicionadas economias de deslocações.

Em 2020, a Autonomy publicou um relatório que concluiu: um fim de semana de 3 dias pode reduzir as emissões de CO₂ em 117.000 toneladas no Reino Unido – por semana.

Efeito 2: as deslocações diminuem.

Uma semana de trabalho mais curta também significa menos CO₂ causado pelos carros devido a menos deslocações. Em um estudo da Universidade de Reading, 2.000 funcionários e empresários foram entrevistados sobre o comportamento de deslocações. Duas em cada três empresas que ofereciam uma semana de 4 dias disseram que os seus colaboradores agora conduzem menos. Se extrapolar isso para a população, o potencial de economia é enorme: afinal, uma em cada duas pessoas empregadas no Reino Unido atualmente conduz sozinha para o trabalho ou é passageira. Nas áreas rurais, três em cada quatro colaboradores vão de carro para o trabalho.

Efeito 3: o consumo privado torna-se mais amigo do ambiente.

Vários estudos examinaram o impacto das horas de trabalho no consumo doméstico individual e no comportamento de uso intensivo de energia. Um estudo dos EUA combinou cálculos do impacto de CO₂ de bens com dados de gastos do consumidor e concluiu que as famílias com mais horas de trabalho têm uma pegada de CO₂ significativamente maior.

No estudo da Universidade de Reading, dois em cada três entrevistados disseram que passariam o dia extra de folga com a família e amigos. Um em cada dois cozinharia mais em casa e um em cada quatro seria voluntário na área local. Via de regra, são atividades não apenas gratificantes, mas também amigas do clima e boas para a convivência social.

Efeito 4: Nossas atividades diminuem.

Mais tempo livre cria espaço para mais atividades pobres em CO₂: leitura, brincadeiras, desportos, tempo com a família. Assistir a um filme para variar, mais caminhadas, mais educação continuada – em suma, desaceleração e autorrealização. Pesquisas sobre o impacto da redução da jornada de trabalho em França demonstraram tendências claras em direção a atividades mais domésticas e de baixo carbono. A introdução da semana de trabalho de 35 horas na França mudou muito a rotina diária dos colaboradores.

Ao contrário do que muitos temiam, as pessoas não aproveitaram as folgas para consumir mais. Em vez disso, eles cuidaram de si mesmos e viveram vidas mais relaxadas.

Efeito 5: Horários de trabalho mais curtos são bons para a nossa saúde, até mesmo economizando CO₂.

Com um fim de semana de três dias – e mais tempo livre – podemos passar mais tempo ao ar livre, fazer viagens a pé e ficar menos stressados. Longas horas de trabalho estão associadas ao stress e a um risco aumentado de esgotamento, queixas musculoesqueléticas e doenças mentais. Tratar de tudo isso custa dinheiro – e consome recursos: os medicamentos têm longas rotas de entrega, os estabelecimentos de saúde precisam de energia e os pacientes e familiares, bem como a equipa, precisam percorrer longas distâncias.

Em resumo, é claro que devemos pensar e moldar a proteção do clima e nossos horários de trabalho em rede. A produtividade sempre aumentou nas últimas décadas. E nas áreas onde não são possíveis saltos clássicos de produtividade – assistência médica, enfermagem, ensino fundamental, educação – os colaboradores raramente trabalham em período integral porque a carga de trabalho desses empregos é alta. O caminho para jornadas de trabalho mais curtas estaria, portanto, claro. Só falta a vontade política.

Tradução adaptada de Artigo Patrocinado pela SCOOP.ME

Leave feedback about this

  • Quality
  • Price
  • Service
Choose Image
error: ©Direitos Reservados !!
Abrir chat
1
O que podemos oferecer-lhe hoje?
Scan the code
Suporte Tudonumclic
Olá,
Temos sempre alguém pronto para falar consigo. Em que podemos ajudá-lo?